USIPA - Nota de esclarecimento sobre a lagoa da Usipa

HOME     INSTITUCIONAL     ESPORTES     LAZER E SOCIAL      MEIO AMBIENTE      CANAIS     FOTOS    CONTATO

  :: NOTÍCIAS USIPA + Ver mais notícias
 


 
 

Nota de esclarecimento sobre a lagoa da Usipa
 

 

A Associação Esportiva e Recreativa Usipa vem a público informar sobre a situação da lagoa, situada nas dependências do clube, e que se encontra com o volume bem abaixo do normal.

É com grande pesar que acompanhamos dia a dia a redução do nível de água da lagoa e, assim como a população, temos preocupações com relação à escassez de água e suas consequências. Embasados em informações técnicas fornecidas pelo Centro de Biodiversidade da Usipa – Cebus, esclarecemos à comunidade do Vale do Aço:

A redução da oferta hídrica é causada por alguns fatores importantes:
- Climáticos: Devido às condições meteorológicas provocadas pelos fenômenos El Nino e La Nina estamos vivenciando períodos de estiagem severa já há alguns anos. Em 2017 a previsão não é diferente, continuaremos com chuvas abaixo da média em grande parte do país inclusive no Sudeste.
A falta de chuvas ou a sua concentração em períodos muito curtos dificulta a recarga do lençol freático e aumenta o escoamento, o resultado é pouca acumulação, a recarga fica comprometida.

- Consumo: Segundo informações da ANA – Agencia Nacional de Águas, o consumo hídrico no país vem aumentando consideravelmente e atualmente em muitas regiões a demanda se aproxima muito da capacidade de oferta. Isso se deve ao aumento do tamanho dos reservatórios nas residências, ao desperdício e as perdas por vazamentos. A água que deveria estar acumulada nos lagos e no subsolo se encontra nas piscinas e caixas d’água dos moradores ou escorrendo pelas ruas das cidades.

- Ambientais: Práticas ambientais inadequadas como o desmatamento, queimadas, impermeabilização do solo e perfurações de poços artesianos sem as devidas autorizações ambientais favorecem a escassez hídrica. Aumenta em todos os municípios a prática da perfuração de poços artesianos que, por não retratarem o consumo real de seus proprietários, são fonte de desperdício; assim o aumento do consumo de água “sem custo”, custa caro para o meio ambiente. As impermeabilizações dificultam a recarga principalmente em áreas críticas como as margens dos cursos d’água. As queimadas e desmatamentos retiram a cobertura vegetal provocando o escoamento sem infiltração das chuvas.

Por que está faltando água na Usipa?

A Usipa é abastecida por uma nascente que se localiza no Parque Zoobotânico da Usiminas, uma área revegetada na década de 1980 e que se encontra hoje em estágio avançado de recuperação. Ela foi transformada em Reserva Particular de Patrimônio Natural - RPPN em 2016. Nesta área existem três nascentes, mas atualmente apenas a nascente que abastece a USIPA continua ativa, porém com vazão reduzida. Além destas nascentes, existe uma quarta que fica fora da área do Parque Zoobotânico, em propriedade particular, mas que drena para a área do Parque. Esta é a única nascente que não está preservada e também se encontra seca.

Apesar de a Usipa ser uma área com muito verde em suas encostas, a área recuperada corresponde a apenas a uma vertente dos morros que circundam a USIPA, a outra vertente compõe os bairros Caladinho (Coronel Fabriciano) e Bom Jardim (Ipatinga). Estas vertentes se encontram totalmente degradadas com pastagens e grandes aglomerados urbanos e todos os problemas advindos destes tipos de uso do solo como impermeabilização, desmatamento e queimadas.

O crescente custo, irregularidade do abastecimento e medo da falta d’água aumenta o uso dos poços artesianos. O Vale do Aço utiliza a água captada de aluvião, ou seja, água dos rios que existe no subsolo. Estudos apontam que o aluvião do Vale do Aço é muito extenso, graças ao terreno arenoso e relevo ondulado. O uso excessivo da água deste aluvião  vem rebaixando o lençol freático e as nascentes já começam a dar sinais da fragilidade do sistema. A falta de água não se limita à lagoa da Usipa, mas a todo Sistema Lacustre do Médio Rio Doce com mais de 100 lagoas.

Outro fator é o desperdício, muitas pessoas ainda têm a falsa ilusão de que a água é um bem inesgotável, e muitos, quando estão em clubes, hotéis etc, utilizam de forma inadequada por considerarem que não tem custo ou que o custo está embutido no valor da diária.

Na Usipa já estamos buscando formas de reduzir o consumo e orientando os funcionários e associados sobre o desperdício. Mas ainda assim, temos um consumo de água volumoso, comparado à época de escassez que vivemos.

Diante disto podemos concluir que o desrespeito ao meio ambiente, a falta de visão de futuro e a ideia equivocada de que a água é um recurso ilimitado, levaram à realidade que encontramos hoje na Usipa e em diversos recursos hídricos de Minas Gerais e outros estados brasileiros. Sabemos da importância da reeducação e estamos trabalhando para isto, mas infelizmente a situação da lagoa escapa ao nosso controle, como explicamos acima.